Notícias

Advocacy: defender o mercado de atuação é proteger a marca

*Por Gustavo Diamantino – Press à Porter Gestão de Imagem

Recentemente fui indagado por um gerente de marketing de uma indústria química, durante uma concorrência de um job de Relações Públicas, com a seguinte questão: “como proteger o mercado em que atuo diante de notícias falsas que estão na Internet ou da falta de conhecimento das pessoas?”. Embora surpreso, pois o tema não estava na pauta, fiquei muito feliz em ouvir do gestor a sua preocupação para com a imagem do setor como um todo.

Esse trabalho tem nome: advocacy, que, em resumo, se trata de um conjunto de ações em prol da defesa de interesses e causas, por meio de conscientização e engajamento de influenciadores.

O trabalho de advocacy possibilita tanto o caminho da defesa, isto é, no sentido de desmistificar percepções e proteger determinado mercado; quanto a vertente de angariar atenção e engajar apoiadores em prol de causas e impactar política pública.

Neste segundo caso, ele se assemelha em alguma medida ao lobby. Para distinguir o conceito macro, recorro à cientista política Andréa Gozetto, em artigo veiculado no site da Aberje:

Há dois elementos que fundamentalmente diferenciam advocacy e lobby. O primeiro é o tipo de estratégia utilizada para influenciar o tomador de decisão e o segundo diz respeito à natureza da política pública a ser defendida. Campanhas de advocacy privilegiam estratégias que procuram influenciar o tomador de decisão de forma indireta, por intermédio da mobilização da opinião pública (outside lobbying strategies), concentrando-se na defesa de políticas públicas de interesse amplo que trarão impacto positivo para a sociedade civil como um todo”.

Desta forma, é importante considerar que um projeto assertivo de advocacy vai além do trabalho de relacionamento com a imprensa. Passa pela produção e disseminação de mensagens chaves e conteúdo aprofundado, baseados em evidências concretas, mapeamento de riscos, identificação dos stakeholders, encontros/reuniões de caráter público, apoio e patrocínios a projetos culturais relacionados à temática, entre outras atividades.

Ao fim da reunião na indústria que mencionei no início do texto, o próprio gerente, totalmente convencido da necessidade, cravou, para minha felicidade novamente: “Defender o mercado é de alguma forma proteger o meu negócio e a minha marca”. Bingo!

O resultado da concorrência de RP ainda não saiu, mas certamente o mercado ganhará mais um projeto de advocacy.

www.pressaporter.com.br